YOOtheme

PESQUISADORES BRASILEIROS AVANÇAM EM PESQUISA PARA COMBATE AO HIV

Na última semana, a equipe de farmacêuticos liderada pelo pesquisador brasileiro Luiz Pianowski, do laboratório Kyolab,obteve resultados promissores em mais uma etapa dos testes para desenvolvimento de fitomedicamento para combate ao vírus HIV, e os profissionais envolvidos anunciam que já deram sequência nos estudos.

Os testes realizados na semana passada em Bourdeax, na França,foram feitos em peixes (zebrafish), para verificação dos índices de toxicidade do princípio ativo em análise. Como era esperado,a dosagem eficaz é bem inferior à dosagem tóxica, permitindo avenço da pesquisa.A partir do mês de março tem início a fase de testes em macacos, uma das últimas fases antes do teste em humanos.

Pianowski explica que sua equipe testa os efeitos de um fitofármaco (substância ativa isolada de plantas) inédito nas células que contém vírus HIV latentes, maior desafio atual da medicina no combate à doença. “Consideramos que a persistência de células infectadas de forma latente é a principal barreira à cura da infecção pelo HIV – hoje, consegue-se combater os vírus quando eles saem da célula infectada por multipicação, mas não os que continuam dentro das latentes (como parte integrante do cromossomo), ou seja, sempre permanece no organismo uma espécie de ‘reservatório’ do vírus nas células latentes, o que garante que a doença continue existindo naquele organismo.A expectativa é que o AM12, como chamamosnosso ativo, consiga agir exatamente nessas células latentes”, aponta.

A proposta, segundo ele, é ativar o vírus latente apenas o suficiente para que seja possível destruí-lo (shockandkill). Nas duas primeiras fases da pesquisa, a equipe obteve sucesso em reativar os vírus latentes de HIV-1 em diferentes concentrações, sem apresentar fatores de citotoxicidade.

A etapa que tem início agora passa dos testes in vitro para in vivo, primeiramente em modelos animais (infectados por SIV).

“Nosso objetivo final é chegar a uma molécula que ative os reservatórios latentes do HIV, que em conjunto com a terapia antiviral posa levar à extinção de todo reservatório capaz de replicar e re-infectar o indivíduo. Esse feito pode levar o paciente HIV positivo aparar a medicação e ficar com sistema imune em boas condições ou, no melhor dos cenário , não necessitar mais de terapia antiviral”, complementa Pianowski, explicando que “ainda há muito a ser feito, mas estamos trilhando um caminho de sucesso”.

A infecção pelo vírus HIV no Brasil - A epidemia de infecção pelo HIV é claramente definida como um problema médico e de saúde pública. Além disso, a epidemia de AIDS caracteriza-se por um problema sócio-econômico, principalmente para os países em desenvolvimento, uma vez que a população economicamente ativa é a mais acometida. Dentre os países da América Latina, o Brasil abrange cerca de 1/3 dos portadores do HIV, devido a sua larga extensão territorial. Nesses quase 30 anos de pandemia, mais de 20 milhões de indivíduos morreram em todo o mundo por causas associadas à AIDS e, no ano de 2008, mais de 33 milhões de pessoas encontravam-se infectadas pelo HIV.

Sobre a Kyolab

A Kyolab (outrora Pianowski & Pianowski Ltda.) é uma empresa de pesquisa e desenvolvimento de produtos farmacêuticos e cosméticos, com expertise em fitomedicamentos. Produz e padroniza extratos vegetais, isola e identifica substâncias ativas. O Kyolab possui mais de 25 patentes de podutos que estão no mercado, como: Acheflan, Giamebil, Prostokos ,Sintocalmy, Imunoglucan , Kroneletc, etc.A Pianowski & Pianowski e a Kyolab somam nove anos de atuação no mercado.

Sobre Fitomedicamentos

Os fitomedicamentos são medicamentos de origem vegetal elaborados com extratos padronizados. Ao contrário das preparações tradicionais como chás e garrafadas, o fitomedicamento é elaborado por um complexo processo químico que visa concentrar os princípios ativos da planta em um extrato. A padronização química (ou estandardização) garante o teor de princípios ativos para obtenção de uma atividade farmacológica.

É importante ressaltar que a padronização do extrato requer tecnologia analítica de ponta. O processo deve garantir que em cada comprimido ou cápsula contenha o mesmo perfil químico, o mesmo teor de princípios ativos. Desta forma pode-se garantir que o fitomedicamento obedeça aos mesmos três critérios que caracterizam um medicamento sintético: eficácia, qualidade e segurança, critérios essenciais para a obtenção do registro junto ao órgão regulatório competente (ANVISA, FDA, EMEA).

40% dos produtos para o combate ao câncer que estão no mercado têm origem em compostos isolados retirados de plantas, entre eles Taxol, Vincristina e Vinblastina. Buscar isolar um elemento obtido através de uma planta é uma prática não apenas da Kyolab, mas de outras empresas e laboratórios mundiais de pesquisa.

O Tamiflu, por exemplo, eficaz para a Gripe HN1, vem do anis estrelado. Produtos para dor como a codeína vem da papoula. Alguns produtos para o coração e até a aspirina também podem ser mencionados na extensa lista de produtos extraídos de plantas.

Entenda as fases de desenvolvimento de um medicamento

Março/2012

Informações para a imprensa:

Fonte Comunicação

Luciana Ramos (19) 8180-8430
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

Emília Zampieri (19) 9690-2823
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar